REMAKES DO CINEMA DOS ANOS DE 1980

LUIZ NAZARIO responde a Paulo Henrique da Silva. Partes da entrevista foram publicadas em: SILVA, Paulo Henrique. Nostalgia ou falta de criatividade? Onda de refilmagem do cinema pop da década de 1980 coloca em xeque o talento dos realizadores. ‘Recauchutagem’ rende discussão. Jornal Hoje em Dia, Belo Horizonte, 1° de junho de 2010, Caderno Cultura Hoje, capa e p. 8.

Como explicar este recente interesse pelos anos de 1980?

Os anos de 1980 foi das piores décadas do cinema, com a morte dos últimos grandes mestres, como Alfred Hitchcock (1980), René Clair (1981), William Wyler (1981), Jacques Tati (1982), Luis Buñuel (1983), King Vidor (1982), Alberto Cavalcanti (1982), Joseph Losey (1984), Orson Welles (1985), Vincente Minnelli (1986), etc. Outros grandes tinham morrido em anos anteriores – Fritz Lang (1976), Charles Chaplin (1977), Jean Renoir (1979), etc. – ou morreriam logo depois – Federico Fellini (1993), Akira Kurosawa (1998), etc. – sem produzir como outrora, de modo que o grande cinema já agonizava no fim dos anos de 1970, morrendo definitivamente no fim dos anos de 1990. O cinema que nasceu dessa hecatombe foi até mais “espetacular”, mas artisticamente inferior e humanamente menor. O interesse atual pelo “cinema” que surgiu nos anos de 1980, a partir dos escombros do cinema, revela a nulidade do atual “cinema”, tão desprovido de imaginação que busca na agonia do cinema uma inspiração para “renovar-se”.

Como tem avaliado essas produções? As atualizações são mais baseadas na tecnologia? Ou a essência da obra original está sendo preservada?

Não posso avaliar essas produções, porque as evito ao máximo, como já evitava as obras originais, que não me diziam nada. Parei de acompanhar o cinema justamente no fim dos anos de 1980, quando, no bojo de uma série de “modernizações” da imprensa, fui eliminado da crítica jornalística, e me refugiei na academia. Sem poder mais freqüentar sessões de cabine, desprovido de permanentes, eu não iria ainda pagar para ver os novos “filmes”.

Fale sobre V, Fúria de Titãs e os filmes de terror (Sexta-feira, A hora do pesadelo, A morte pede carona).

De todos esses filmes, a série de ficção científica feita para TV intitulada V (V, 1983), de Kenneth Johnson, foi a única produção que acompanhei com interesse. Achava incrível que os extraterrestres parecessem tão “humanos” e “amigos”, enquanto pelas nossas costas eles comiam ratos e planejavam destruir os terráqueos. Era uma interessante metáfora do nazismo, feita com poucos recursos, mas efetiva graças ao excelente roteiro, do próprio diretor.

Que esperar de Esquadrão Classe A, Karaté Kid, Red Dawn, He-Man, Conan, Smurfs, Arthur o milionário sedutor, Red Sonja, Robocop, O vingador do futuro?

A refilmagem de um clássico sempre revoltou a crítica, e geralmente eu concordava com ela, pois o que já era perfeito nunca ficava melhor. Já remexer no lixo é sempre auspicioso, pois podemos alimentar a esperança de que dessa operação resulte algum filme. Mas duvido.

Algum filme ou série que você gostaria de ver filmado agora?

O único filme que eu gostaria de ver refeito com a tecnologia de hoje é The Birds (Os pássaros, 1963), de Hitchcock. Houve uma continuação feita para a TV: The Birds II: Land’s End (1994), de Alan Smithee e Rick Rosenthal, considerado um dos piores filmes do mundo. Eu gostaria mesmo assim de ter visto esse trash. Mas apenas porque adoro esse universo criado por Daphne du Maurier e ampliado pelo roteiro de Evan Hunter e pelas visões de Hitchcock. Parece que há um projeto de remake, que só ficará pronto em 2013. Obviamente eu gostaria de ver essa refilmagem dirigida por um novo Hitchcock. E o único diretor que se aproxima dele hoje é Spielberg, cuja carreira infelizmente entrou em decadência.

Liste seus dez melhores remakes dos anos de 1980.

Não me lembro de nenhum remake interessante de um filme dos anos de 1980. Charlie and the Chocolate Factory (A fantástica fábrica de chocolate, 2005), de Tim Burton, possui uma direção de arte muito mais sofisticada que a de Willy Wonka And The Chocolate Factory (A fantástica fábrica de chocolate, 1971), de Mel Stuart, assim como sua Alice in Wonderland (Alice no país das maravilhas, 2010) traz um universo visual mais rico que Alice Adventures in Wonderland (Alice no país das maravilhas, 1972), de William Sterling. Mas não penso que esses remakes sejam filmes melhores… E os originais são dos anos de 1970, quando ainda se faziam coisas interessantes no cinema, e não do período em pauta…

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s